14/02/2018 | 17h12m

Operação Falsa Impressão

Câmara de Florianópolis renova contrato com empresa denunciada pelo MP

Denúncia foi protocolado em 27 de novembro, mais de dois anos e meio depois da deflagração da Operação Falsa Impressão, que também investigou contratos da mesma empresa com as Câmaras de São José, Palhoça e Biguaçu

Na noite de 12 de maio de 2015, o Gaeco ficou quase duas horas no prédio da Câmara da Capital coletando provas

Na noite de 12 de maio de 2015, o Gaeco ficou quase duas horas no prédio da Câmara da Capital coletando provasDiogo Vargas / Agência RBS

Segundo a denúncia, que teve origem na Operação Falsa Impressão, deflagrada em maio de 2015 pelo Gaeco, em 2011, “os agentes públicos Jaime Tonello, então presidente da Câmara de Vereadores de Florianópolis, e José Luiz Coelho, então diretor financeiro da Casa, este último que exercia cargo de confiança por indicação do primeiro, ambos contando com o auxílio de Sérgio Luiz de Souza, então presidente da Comissão de Licitações da Câmara de Vereadores, engendraram uma maneira de favorecer a empresa Escrimate, de propriedade dos denunciados Robson e Cledson Cardoso, através da celebração de contrato de fornecimento de serviços de impressão, a ser firmado com a Câmara Municipal de Vereadores de Florianópolis”.